Welter Mesquita Vaz. Tecnologia do Blogger.

LATAM e Copa buscam entrar na frente da tendência de baixo custo da América Latina


A LATAM Airlines Group renova sua estrutura tarifária para oferecer uma opção econômica básica em voos domésticos e a Copa Holdings lançando uma companhia de baixo custo (LCC) sinaliza um movimento em direção a serviços de tarifas baixas na América Latina, mesmo entre as maiores companhias aéreas da região.

As LCCs têm transformado o mercado doméstico mexicano nos últimos anos, e as LCCs têm uma forte posição no mercado brasileiro, mas o modelo ainda não se apoderou no resto da América Latina. Isso parece estar mudando, particularmente nos mercados domésticos e nos vôos de curta distância, e a LATAM e a Copa estão tentando entrar na frente da tendência.

"Os passageiros estão procurando um preço baixo e baixo, como na Europa, e esse será o segmento de mais rápido crescimento em nossa região", disse o presidente da LATAM, Enrique Cueto, na semana passada, durante a Latin American and Caribbean Air Transport Association (ALTA) Airline Leaders Forum na Cidade do México. "Não podemos deixar esse segmento ser tomado por outra pessoa".

A LATAM não está lançando um LCC separado, mas no primeiro semestre do ano que vem iniciará a implantação de uma estrutura tarifária desagregada nos seis mercados domésticos que suas afiliadas atendem (Brasil, Chile, Peru, Argentina, Colômbia e Equador). Os passageiros poderão escolher uma tarifa básica até 20% mais barata que os preços actuais, com a opção de pagar taxas por add-ons, como a verificação de bagagem ou a selecção de um lugar.

Cueto disse que espera ver vários LCCs emergentes para servir passageiros em rotas de curta distância na América Latina, e a LATAM decidiu que era necessário modificar sua estrutura tarifária para permanecer competitiva em vôos de 2 horas ou menos. Ele reconheceu que os custos da LATAM na maioria das rotas de curta distância ainda serão 10% -15% maiores do que os custos de uma LCC pura. "Isso é aceitável porque queremos manter passageiros de negócios", explicou.

Embora com uma desvantagem em termos de custos, a LATAM terá uma "vantagem de receita" nas rotas de curta distância e oferecerá um produto que será competitivo o suficiente para impedir que passageiros de negócios mudem para LCCs e atrair passageiros de lazer para escolher LATAM. "Se os empresários vão para outra operadora, você está condenado", disse ele. "O desafio é que queremos manter os passageiros de negócios ... mas não vamos desistir desse segmento [de LCC]".

O CEO da Copa, Pedro Heilbron, concedeu a decisão de lançar o Wingo, uma subsidiária da LCC da Copa Airlines, que começará a voar em 1º de dezembro. "Fazer isso é como se eu chegasse a esse evento [o encontro anual da ALTA de executivos de companhias aéreas latino-americanas] com calças vermelhas, uma camisa amarela e um chapéu", brincou o impecável Heilbron.
A Wingo operará quatro Boeing 737-700s configurados com 142 assentos em uma cabine de classe única em serviços ponto a ponto para 16 destinos na América Latina e no Caribe. "A Wingo é uma "ferramenta" para permitir à Copa reter passageiros em rotas de curta distância, onde há uma crescente presença de LCC, disse Heilbron.


"A Wingo não precisa ser rentável para ser positivo para a Copa Holdings", disse ele. "Se eles quebram mesmo, será positivo para nós ... Naturalmente, nós esperamos que sejam rentáveis."
Enrique Beltranena, CEO da Volaris, o ultra-LCC creditado com liderar a revolução de baixas tarifas no México, que movimentou milhões de passageiros de ônibus para companhias aéreas, disse que houve "uma transformação das necessidades de viagem" na América Latina. Volaris levará seu modelo para o mercado centro-americano com o lançamento do Volaris Costa Rica no próximo mês.
"A prova está aqui" no México que oferecer tarifas baixas criará novos viajantes aéreos na América Latina, disse Beltranena. "Acredito que provamos [o modelo] e podemos fazer algo semelhante na região da América Central".

No entanto, ele advertiu que o modelo de baixo custo tem seus limites, prevendo que o serviço tradicional continuará a ser a norma nas rotas de longo curso na América Latina e para / da América Latina. "Eu não compreendo completamente as virtudes de uma transportadora de baixo custo de longo curso", disse Beltranena. "Eu não entendo o modelo para vôos de longo alcance."

O CEO da Aeroméxico, Andrés Conesa, disse que, uma vez que os passageiros se acostumem às viagens aéreas, podem eventualmente migrar para serviços de longo curso em transportadoras mais tradicionais. "Esses passageiros que costumavam viajar de ônibus voam com companhias de baixo custo, mas no futuro eles podem estar voando conosco", disse ele.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Alexandre Marques

Notícias, radar e escuta ao vivo, matérias e cobertura de eventos aeronáuticos.
    Comentar - Blogger
    Comentar - Facebook

0 comentários:

Postar um comentário