Welter Mesquita Vaz. Tecnologia do Blogger.

Piloto que sobreviveu a queda de avião não podia pilotar e já havia se acidentado


Qui 27/7/2017 - O piloto de 72 anos de um avião monomotor experimental KR-2S matrícula PP-XCE que caiu na última segunda-feira (24) durante tentativa de aterrissagem na pista do aeroclube de Pará de Minas, região central de Minas Gerais, não poderia estar voando.

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informou que a habilitação do militar reformado André Barbosa Silva estava suspensa desde 2010, quando ele sofreu um acidente com a mesma aeronave em Divinópolis, também em Minas.

Segundo a ANAC, os pilotos têm a licença para voar suspensa automaticamente por 180 dias após acidentes. O militar reformado chegou a dar início à época aos procedimentos para renovar a habilitação (entrega de documentos, exame, dentre outros), mas não os concluiu e está impedido de pilotar.

A exemplo da queda de 2010, quando fez pouso forçado numa propriedade rural e sofreu apenas ferimentos leves, André Barbosa Silva escapou com vida do acidente desta segunda-feira em Pará de Minas.
Aeronave KR-2S matrícula PP-XCE em 2010

Único ocupante da aeronave, o militar reformado sofreu uma fratura exposta na perna direita e uma fratura fechada na esquerda. Ele foi encontrado pelos bombeiros consciente, reclamando de dores nas pernas, e sem mais escoriações visíveis, e está se recuperando no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Pará de Minas.

André Barbosa Silva indicou durante o seu resgate que uma possível pane num dos motores o levou a perder o controle e não conseguir fazer o pouso com sucesso - o avião bateu de raspão num poste de energia e atingiu o telhado de uma casa antes de cair na cabeceira da pista.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) afirmou que uma equipe do Seripa III (Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) partiu na manhã desta terça-feira do Rio de Janeiro para o local do acidente e iniciará a investigação.

Segundo o órgão, os membros da equipe farão o procedimento padrão conhecido como ações iniciais: eles fotografam o local, ouvem testemunhas, colhem determinadas peças da aeronave de acordo com a dinâmica do acidente, dentre outras atividades, com o intuito de prevenir que acidentes com a mesma característica voltem a ocorrer.


Compartilhar no Google Plus

Sobre Alexandre Marques

Notícias, radar e escuta ao vivo, matérias e cobertura de eventos aeronáuticos.
    Comentar - Blogger
    Comentar - Facebook

0 comentários:

Postar um comentário