Welter Mesquita Vaz. Tecnologia do Blogger.

Com quase 50 alertas no ano, aviação reforça combate à soltura de balões


O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) já registra 46 notificações sobre avistamentos de balões próximos a aeronaves e aeroportos somente nos primeiros 45 dias de 2017. Em todo o ano de 2016 foram 509 registros – média de 42 ocorrências por mês. Os estados com maior incidência foram São Paulo, que acumulou mais da metade dos casos, seguido de Rio de Janeiro e Paraná. As entidades do setor têm ampliado cada vez mais a troca de informações e atuação conjunta para evitar que estes números continuem a se repetir.

Os balões não tripulados, também conhecidos como balões juninos, podem chegar a pesar dezenas de quilos e carregar materiais perigosos (inflamáveis e explosivos). Apesar disso, não são detectados por radares, dificultando a identificação por pilotos e controladores de voo. Assim, eles geram riscos que envolvem desde a colisão com aeronaves até a necessidade da realização de manobras abruptas não programadas, como um desvio para evitar o impacto, pousos de precaução e arremetidas, que podem causar desconforto aos passageiros e atrasos em voo.

“Quando um balão se aproxima de um aeroporto, mesmo sem cair na pista, ele pode ocasionar a interrupção de pousos e decolagens e impactar a malha aérea nacional, afetando horários de voos em outras localidades, acarretando em atrasos e custos financeiros para as empresas aéreas e aeroportos”, esclarece o consultor da Diretoria de Segurança e Operações de Voo da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Paulo Roberto Alonso. O comandante acrescenta que a maior ameaça é à segurança das aeronaves e seus passageiros: o impacto de um artefato com uma aeronave pode causar danos à fuselagem, turbinas, ou hélices – e até interferir no funcionamento de sistemas de indicação de velocidade e altitude do avião.

Grupo de Trabalho


Um grupo de trabalho, coordenado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), com participação de representantes da ABEAR e dos principais atores do setor aéreo brasileiro, foi formado para ampliar o diálogo, conscientizar a população sobre o tema e incentivar ações técnicas e policiais para reduzir a prática do crime de soltura de balões no país. A ideia é analisar estatísticas de notificações e direcionar a atuação estratégica dos órgãos de segurança pública, ampliando o combate à soltura dos balões não tripulados.

Como ajudar?

Ações suspeitas relacionadas à soltura de balões devem ser comunicadas à Polícia (190) ou ao Disque-Denúncia (181). Além disso, qualquer cidadão que tenha avistado balões no espaço aéreo, especialmente em áreas próximas aos aeroportos, pode fazer o registro da ocorrência no portal do Cenipa.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Alexandre Marques

Notícias, radar e escuta ao vivo, matérias e cobertura de eventos aeronáuticos.
    Comentar - Blogger
    Comentar - Facebook

0 comentários:

Postar um comentário